“Que seu remédio seja seu alimento”

A famosa frase de Hipócrates, o “pai da medicina”, que intitula esta postagem, revela uma grande verdade: a comida está intimamente relacionada com a saúde. Eu já sabia que o alimento afetava o corpo, pois foi depois que parei de usar leite e derivados que minha rinite se foi. Foi depois que melhorei minha alimentação também que me curei de uma esofagite. Mas eu não imaginava que o que eu comia tivesse algo a ver com a tal da depressão. Felizmente, com a ajuda do Dr. Neil Nedley, entendi melhor esse princípio de saúde e decidi me tornar vegetariana de fato, há cerca de quatro anos.

Nas postagens “Arrancando o mal pela raiz” e “Ninguém está condenado à depressão perpétua”, conhecemos os fatores não modificáveis da depressão. Agora vamos nos concentrar nos fatores modificáveis, começando pela nutrição. Alguns indivíduos são mais suscetíveis a esse fator do que outros. É importante, portanto, analisar a alimentação em conjunto com as outras causas possíveis.

Há cinco elementos nutricionais em especial que afetam a saúde mental: serotonina, ômega 3, ácido fólico, vitamina B12 e proteínas. A serotonina é um neurotransmissor produzido em maior quantidade no lobo frontal do que em outras partes do cérebro. Quando um indivíduo está deprimido, o fluxo sanguíneo e a atividade do lobo frontal diminuem, consequentemente reduzindo o nível de serotonina. Aumentar o nível de serotonina, portanto, é um dos tratamentos para a depressão. Uma das formas de fazer isso é aumentar a ingestão do aminoácido triptofano, que ajuda a sintetizar a serotonina. Tofu, sementes de abóbora, sementes de gergelim, amêndoas, nozes, feijão-fradinho e banana, nessa ordem, são algumas das melhores fontes de triptofano, muito melhores do que o leite de vaca.

A dieta deficiente em ômega 3 também pode aumentar o risco de depressão. Geralmente pensa-se que o peixe é a melhor fonte desse ácido graxo, mas, na verdade, ele só contém bastante ômega 3 porque se alimenta de algas marinhas. Ou seja, o ômega 3 do peixe é de segunda mão. A fonte original é vegetal. Além disso, o peixe hoje em dia não é nada confiável porque concentra toxinas das águas contaminadas, podendo causar lesões cerebrais e nervosas especialmente em fetos e crianças, câncer, doença cardíaca, elevados níveis de colesterol e triglicérides e até mesmo hipertensão, arteriosclerose, diabetes e infertilidade masculina. Pra que correr esse risco? Prefira fontes vegetais de ômega 3, como linhaça, amêndoas, nozes, nabo, banana, batata-doce, maçã, pepino. Destas, a linhaça é, de longe, a fonte mais rica de todas.

Já é bem conhecido o fato de que a deficiência de ácido fólico pode provocar má formação no feto. O que não se divulga muito é sua relação com a depressão e até mesmo com o mal de Alzheimer. Segundo o Dr. Nedley, a deficiência dessa vitamina do complexo B é mais comum em consumidores de carne do que em vegetarianos, porque é muito mais fácil obter o valor diário necessário de 400 mcg de ácido fólico em fontes vegetais, como grão-de-bico, feijão-fradinho, lentilha, quiabo, feijão-branco, espinafre e laranja, do que na carne.

Outra vitamina do complexo B fundamental para o bom funcionamento do sistema nervoso é a B12. Se você está com a coordenação motora ruim, esquecimento e/ou depressão, pode ser que esteja com deficiência dessa vitamina. Embora sua carência seja comumente associada com a dieta vegetariana, pois não existem fontes vegetais de B12, é muito comum encontrar carnívoros com deficiência da vitamina. A razão para isso é que não basta ingerir quantidades suficientes de B12. É preciso que a absorção dessa vitamina, que é muito complexa, seja boa. Por isso, recomenda-se a suplementação da B12. Eu, por exemplo, passei alguns meses usando diariamente um suplemento de 1.000 mcg dessa vitamina, mas continuei com a B12 baixa. Precisei aumentar a dose. Já para a minha filha, de seis anos, uma dose semanal de 1.000 mcg foi suficiente para aumentar o índice de B12. Evidentemente o corpo dela absorve melhor a vitamina do que o meu, o que é comum, pois a tendência é perder um pouco da capacidade de absorção do estômago com o passar dos anos. Para saber mais sobre o assunto, clique aqui.

O excesso de proteína animal também pode contribuir para a depressão, pois contém em excesso cinco aminoácidos que competem com o triptofano. Além disso, pode promover a puberdade precoce em meninas e aumentar o risco de câncer, cálculos renais, osteoporose e outras doenças crônicas, que por sua vez aumentam o risco de depressão. O mais seguro, portanto, é substituir a proteína animal. Clique aqui para saber como.

Nas próximas postagens, continuaremos apresentando possíveis causas de depressão. Fique de olho…

E lembre-se: “Portanto, quer comais, quer bebais ou façais outra coisa qualquer, fazei tudo para a glória de Deus.” (1 Coríntios 10:31)

Referência

NEDLEY, Neil. Como sair da depressão. Tatuí: Casa, 2010.

 

Assinatura_Marily

Gostou deste conteúdo? Então faça o download do nosso livro digital gratuito...

Gostou deste conteúdo? Então conheça agora o nosso método para se tornar vegetariano...

Gostou deste conteúdo? Então assista esta super aula online que nós preparamos para você...

Gostou deste conteúdo? Então assista esta super aula online que nós preparamos para você...