A importância da alimentação na vida do cristão

A questão fundamental que um cristão precisa responder com sinceridade para si mesmo é: quero glorificar a Deus? Ou seja, quero agradar ao Senhor incondicionalmente?

Se a questão acima for respondida afirmativamente, então o assunto a seguir fará sentido, pois essencialmente comer ou não comer carne (e outros alimentos nocivos) vai muito além da saúde, visto que tudo o que fazemos, o que inclui comer, está associado a quem adoramos: se a nós mesmos ou a Deus.

Para aqueles que, fazendo uso do seu livre-arbítrio, escolhem glorificar a Deus, o assunto da alimentação, como qualquer outro, não será de pouca importância, pois deverá agradar ao Criador. Note que Deus se agrada do que verdadeiramente contribui para nossa felicidade, pois Ele é amor.

Assim sendo, não precisamos de argumentos humanos, científicos ou não, para decidir comer ou não comer carne, mas simplesmente saber o que Deus requer. E através da Sua Mensageira para o tempo do fim, E. G. White, Deus diz: “Verduras, frutas e cereais, devem constituir nosso regime. Nem um grama de carne deve entrar em nosso estômago. O comer carne não é natural. Devemos voltar ao desígnio original de Deus ao criar o homem. Manuscrito 115, 1903” (Conselhos Sobre o Regime Alimentar, p. 380).

Mesmo sendo desnecessárias explicações, vou elencar alguns aspectos sobre a ingestão de animais mortos nesta época, não para ficarmos convencidos de que ser vegetariano é bom, mas para demonstrar que Deus é amor e quer o melhor para Suas criaturas.

Antigamente não existiam doenças como vaca louca; gripe do frango; febre aftosa; gripe suína; frangos que crescem em 35 dias, quando em condições normais levaria sete a oito meses; bois que engordam artificialmente à base de hormônios; animais vegetarianos que são alimentados com restos de animais mortos; animais que tomam vacinas e tomam antibióticos; peixes contaminados com dejetos e metais pesados; carnes com conservantes e corantes nocivos à saúde; etc.; etc. Nem vou comentar sobre os embutidos e hamburgueres, que conseguem ser piores do que a carne.

Além disso, pesa também contra os que comem carne, os maus tratos aos animais.  Muitos métodos de criação, transporte e assassinato passaram dos limites da insanidade e crueldade por causa da ganância do homem.  Tal fato só existe porque há consumidores. Vamos continuar cegos e surdos a esse intenso sofrimento?

Como Deus vê o fim desde o princípio, Ele que é Pai, quis nos livrar das nefastas consequências de comer aquilo que nos faz mal. Não é assim que fazemos com nossos filhos? E nós, como pais, não desejamos que nossos filhos nos obedeçam, para o próprio bem deles? Então… vamos ser coerentes!

Assinatura_Mauro

 

Gostou deste conteúdo? Então assista o nosso mais novo vídeo...