Obesidade em vegetarianos – por Tatiana Cornieri

Antes de me tornar ovo-lacto-vegetariana, a ideia que tinha de alguém que deixava de comer carne era a de uma pessoa abatida, fraca, desnutrida, feia, triste… Porém, ao adotar um novo regime alimentar sem carne, percebi que a maior parte da população tem uma ideia errada do que é ser vegetariano. Pela prática, e pelo conhecimento adquirido, aprendi que os vegetarianos mantém níveis de saúde muito melhores que os onívoros.

Por outro lado, um fator preocupante é que mesmo dentro do grupo de vegetarianos, normalmente formado por pessoas preocupadas com sua saúde, o número de obesos tem aumentado. E obesidade, longe de ser apenas uma preocupação estética, é uma questão de saúde.

Afinal, por que existem vegetarianos obesos? Eles não comem menos que os onívoros?

Para respondermos essas duas perguntas, precisaremos considerar alguns fatores:

 

1. Quantidade e qualidade da alimentação

Independente do regime alimentar escolhido (onívoro ou vegetariano), a quantidade e a qualidade do que comemos interfere diretamente em nosso peso corporal.

Um vegetariano pode priorizar por não comer carne ou derivados animais, mas em compensação, desliza em outros aspectos:

  • Come muitos doces, produtos refinados, pães, biscoitos, massas, refrigerantes, salgadinhos, frituras… Enfim, consome com frequência e/ou abundância alimentos que não são saudáveis;
  • Não tem horário para comer. Com isso, pula refeições e fica petiscando várias vezes por dia. No final, nem se deu conta de quanta comida consumiu;
  • Faz questão de comer frutas, verduras, legumes e cereais integrais em abundância. Porém, mesmo se tratando de alimentos saudáveis, acaba comendo demais.

Quando se trata de mudanças em nossa alimentação, precisamos nos conscientizar e procurar manter o equilíbrio, bom-senso e moderação em todos os sentidos. O fato de não consumir carne ou outros produtos de origem animal é um passo importante, que deve ser seguido por uma reorganização de nosso apetite: evitando ou abolindo o consumo de alimentos industrializados, condimentados, doces, frituras, refrigerantes e alimentos refinados; respeitar os horários das refeições, e não fazer lanches entre elas; consumir os alimentos saudáveis com moderação, sem gula ou excessos.

 

2. Prática de atividade física

A prática de atividade física é outro fator importante a ser considerado.

Pessoas que praticam atividade física tendem a ser mais saudáveis e bem-dispostas que as sedentárias. Além disso, incluir a prática da atividade física na rotina faz com que nosso corpo gaste mais energia, favorecendo o emagrecimento e manutenção de um peso mais baixo.

É importante que a atividade física seja praticada com frequência, ou seja: uma caminhada lá de vez em quando não vai trazer benefício algum.

Você pode escolher como sua rotina de exercício uma atividade física que lhe de prazer: caminhar, correr, nadar, pedalar, jogar tênis, futebol, vôlei, pular corda… O importante é mexer o corpo de alguma forma!

Lembre que antes de começar uma atividade física, é importante procurar um médico, que poderá indicar a frequência e o ripo de exercício mas adequado à sua condição física.

 

3. Tendência genética

A tendência genética é um outro aspecto que precisamos levar em consideração.

Cada pessoa possui um biótipo diferente; seus organismos metabolizam a energia recebida dos alimentos de formas diferentes. Há pessoas que, mesmo que façam uma dieta de emagrecimento, não perderão muito peso porque seu biótipo é mais cheinho; outras precisam fazer suplementação porque tendem a perder peso com muita facilidade, colocando sua saúde em risco.

Precisamos respeitar o biótipo que temos e não fazer loucuras em nome de ter um corpo “perfeito” segundo os padrões da sociedade atual.

 

4.  Doenças e tratamentos médicos

A obesidade também pode ser causada ou “sustentada” pela existência de algum problema de saúde. Como assim?

Algumas doenças podem desencadear ganho de peso mesmo que a pessoa cuide de sua alimentação e adote hábitos saudáveis em sua vida. Alterações hormonais e hipotireoidismo são apenas dois exemplos de doenças que podem causar aumento de peso.

Além disso, o uso de alguns medicamentos durante tratamentos médicos pode favorecer o ganho de peso, como é o caso de corticóides, quimioterapia, etc.

Em casos de obesidade, consultar um profissional de saúde é necessário para identificar a causa da obesidade e orientar qual a melhor maneira de tratá-la.

Mas, antes de tudo, é fundamental nos amarmos; e a maior prova de amor que nos damos é a aceitarmos quem e como somos, independente de nossas medidas.

Lembre-se que você foi criado à imagem e semelhança de Deus; não esconda as digitais de Seu Criador na vaidade da magreza. Ser magro nem sempre é sinônimo de saúde e felicidade.

Pense nisso e sucesso!

 

Por Tatiana Cornieri – Sob Medida

Gostou deste conteúdo? Então assista o nosso mais novo vídeo...