A nova arma contra o câncer

Para os cientistas, o diagnóstico precoce e os testes genéticos são as novas armas contra o câncer, que somente neste ano deve invadir os corpos de 460 mil brasileiros

Uma dorzinha no abdome, nada demais. Mas, como tinha viagem marcada para a Europa, a psicóloga Sheila Schnaider Borelli, 48, foi convencida pelo marido a ir a um médico antes de embarcar. O gastro pediu uma tomografia. No resultado, apareceu um cisto no ovário esquerdo. “Bem onde eu sentia uma pontada”, afirma.

Pela localização do cisto, ela marcou consulta com um ginecologista. Repetiu os exames. O cisto, que na semana anterior tinha cinco centímetros, já estava com 20. Ainda assim, o ginecologista disse que, aparentemente, não era grave. Para se despreocupar de vez, Sheila decidiu fazer a cirurgia e extrair o cisto. “Na esperança de me recuperar em seis dias, a tempo de embarcar para Paris.”

 

Dia 24 de janeiro de 2008, sozinha no centro de recuperação, perguntou para o anestesista: “Foi tudo bem?”. Ele respondeu que havia sido “mais ou menos”. “Mas não tirou o cisto?” Sim, mas o anestesista disse, prontamente: “Você está com câncer”. “Ao ouvir isso, vi todos os meus sonhos desmoronarem”, diz. [Leia mais]
Fonte: Revista Galileu

Gostou deste conteúdo? Então assista o nosso mais novo vídeo...