PANCs do Brasil: plantas não convencionais são uma delícia ao pé da estrada

Print Friendly

pancs_plantas_medicinais

Decidimos sair com minha família de carro e percorrer o país desde a Paraíba até São Paulo, além de desfrutar da geografia, fauna e climas diferentes, tivemos a oportunidade de fazer um tour gastronômico e conhecer algumas PANCs (plantas alimentícias não convencionais) do Brasil. Continuem lendo e, da próxima vez que você sair para a rua, aproveite e dê uma olhada para as árvores e jardins que enfeitam nossas cidades. Você aprenderá aqui, no nosso portal, o que fazer com estas plantas esquecidas por aí.

 

Nossa viagem começa no interior da Paraíba e, antes de passar a divisa com o estado de Pernambuco, a paisagem vai ficando cada vez mais seca e somente se avistam uns pequenos cactos plantados que, ignorados por muitos, são o alimento diário dos animais que moram nesta região. Esta PANC é conhecida como palma forrageira e é utilizada basicamente para sustento do gado. Considerada por muitos como uma praga, é vendida em supermercados como uma valiosa iguaria em países como México, Itália e Estados Unidos.

 

Somente podemos comer suas folhas novas, mas o seu sabor neutro é maravilhoso para fazer refogados ou recheios de quiche, empadas e pastéis. Meu esposo achou algumas plantadas num jardim por perto e as refogou com cebola, alho e tomate… Hmm, uma delícia que fica ao pé da estrada, e está cheia de vitaminas do tipo A e B. A palma forrageira está sendo estudada para o combate da desnutrição infantil no Nordeste do pais, e já se encontraram beneficios para combater enfermidades como diabetes, problemas digestivos e até como anti-inflamatório.

 

A nossa segunda parada foi na cidade de Aracaju e, ali, nossa segunda iguaria foi apresentada: a Monguba, que também é conhecida como castanhola, cacau selvagem, mamorama e até pode levar o meu nome: carolina. É uma PANC originária da América Central e do Sul, além de ser muito usada na arborização de ruas e jardins no Brasil por ser muito frondosa e excelente para proporcionar sombra. No entanto, nós descobrimos um uso muito mais saboroso do que dormir debaixo dela.

 

Como seus nomes o indicam, a Monguba tem o seu fruto parecido ao mamão e ao cacau na sua forma e coloração e, dentro deles, encontramos as castanhas que são uma delícia, pois seu sabor lembra muito o das avelãs (caríssimas com esta crise!). Nós as consumimos torradas e como paçoca adicionada nas frutas e na granola. Porém, elas podem ser comidas cruas, assadas ou até fritas. Por fim, também descobrimos que suas folhas novas e flores podem ser usadas em saladas e sobremesas.

 

Chegando em São Paulo, fomos comer com amigos mineiros e, aqui, nos deliciamos com outra PANC brasileira. Como mineiro gosta de comer de tudo, até o final das palavras, a Ora-pro-nobis é conhecida como: Ora por nós! E se você vir esta plantação, ela se parece mesmo com uma praga de folhas que escondem um caule espinhoso que pode tomar conta de tudo se não for controlada. A ora-pro-nobis tem um gosto suave e de textura crocante com coloração verde escura. Muitas pessoas atribuem milagres para esta PANC, mas os estudos apontam que ela tem os mesmos nutrientes que o espinafre, como cálcio, ferro e fósforo.

 

As folhas, que são uma delicia dentro do feijão, se colocam para abafar no final do seu cozimento, ou podem ser misturadas na salada de forma fresca. Embora usadas na culinária do triângulo mineiro, principalmente, já podemos vê-las dentro de uma pizza, quiche ou acompanhadas de legumes em restaurantes mais sofisticados. Nós as comemos refogadas com legumes e acompanhando o bom feijão com arroz, semelhante à couve.

 

Bom, depois de tantos pratos diferentes, está dando uma fome! Então vá, saia e dê uma caminhada pela sua região. Talvez encontre uma iguaria dessas bem pertinho de você.

Bom apetite.

 

Assinatura_CarolHein