A ciência e a profecia: instrumentos divinos no combate ao câncer – por Otávio Simões

Já se tornou muito comum deparar-se compesquisas que associam o consumo de certos alimentos à prevenção de doenças. À medida que a medicina tradicional se mostra pouco eficaz no tratamento de doençasconsideradas terminais, é natural que se dê maior ênfase à prevenção, pela sensação de impotência e fragilidade diante de doenças como o câncer, por exemplo. Por isso, há uma tendência de nos preocuparmos em investir em nossa saúde hoje para não precisarmos recuperá-la amanhã, o que seria um grande risco.

Nesse sentido, em princípio gostaria de apresentar alguns dados surpreendentes, que revelam o impacto do consumo de certos alimentos na prevenção e até mesmo no tratamento de diversos tipos de câncer.Em seguida, quero chamar a atenção para os princípios de saúde sustentados pelos Adventistas do Sétimo Dia, estabelecendo um paralelo com as pesquisas que serão mencionadas.

Em 1975, o Dr. Colin Campbell, pesquisador americano da Universidade de Cornell, realizou alguns testes em laboratório ao alimentar metade dos ratos com caseína, a principal proteína do leite. Em 12 semanas, os ratos com dieta mais rica em proteína tinham um nível muito elevado de tumor hepático precoce, enquanto o outro grupo não apresentou nenhum vestígio de câncer. Em contrapartida, uma dieta de 20% de soja ou trigo não desencadeava câncer.

Entretanto,Campbell resolveu ir mais além ao ministrar as duas dietas para um mesmo grupo, alternando entre 5 e 20% de proteína. Em três semanas os resultados foram impressionantes. Enquanto os ratos recebiam 20% de proteína os tumores hepáticos prematuros explodiam; mas quando os mesmos ratos recebiam 5% de proteína do leite, o crescimento dos tumores diminuía.

Mas o melhor estava por vir: as experiências em laboratório eram limitadas e Campbell precisava de um estudo populacional em larga escala. A oportunidade perfeita haveria de surgir: o estudo da China, consideradopela revista New York Times como um dos maiores e mais rigorosos estudos científicos da história, analisou 367 variáveis dietéticas e de saúde. Foram selecionados 65 municípios espalhados pela China – localizados principalmente em áreas rurais –porque eram habitantes mais estáveis, que praticavam o mesmo estilo de vida há 20, 30 anos.

Publicada em 1990, a principal conclusão dessa análise é definida nesses termos: “A dieta alimentar baseada em vegetais, sobretudo cereais, grãos, legumes e frutas e pouquíssimo alimento de origem animal, está sempre associada à baixa mortalidade, de certos cânceres, AVC e doenças coronarianas”.

O Fundo de Pesquisa Mundial do Câncer (World CancerResearchFund) e o Instituto Americano para Pesquisa do Câncer (AmericanInstitute for CancerResearch) também chegaram a conclusões semelhantes publicadas no outono de 2007, no documento intitulado: Alimentação, Nutrição, Atividade Física e Prevenção do Câncer: uma perspectiva global.

Como consequência do estudo, foi possível extrair algumas recomendações para a prevenção do câncer, a maioria delas relacionadas a hábitos alimentares, tais como:

  • ser tão magro quanto possível dentro dos limites do peso corporal;
  • evitar a ingestão de bebidas açucaradas;
  • comer principalmente alimentos de origem vegetal, ou seja, uma variedade de legumes, frutas, cereais integrais, e leguminosas (600 g por dia);
  • imitar ou eliminar a ingestão de carnes vermelhas;
  • eliminar o consumo de álcool;
  • limitar o consumo de sal para 5 g por dia.

Aqueles que conhecem a mensagem adventista de saúde podem comprovar que essas pesquisas vêm corroborar as recomendações bíblicas de saúde, as quais há mais de um século receberam destaque especial por meio do dom profético de Ellen White, a fim de serem proclamadas com vigor por todo o mundo, alcançando todos os que desejam ter vida em abundância prometida por Jesus (João 10:10).

Por esse motivo, nenhum outro grupo tem atraído mais interesse dos cientistas do que os Adventistas do Sétimo Dia. Os princípios revelados nas Escrituras (Gênesis 1-3) e não Espírito de Profecia, apresentados em distintiva coerência e harmonia, resistem à prova do tempo e são confirmados pela mais robusta prova científica!

Vejamos a declaração singela e convicta de Ellen White a respeito do melhor regime alimentar para os seres humanos: “A fim de saber quais são os melhores alimentos, cumpre-nos estudar o plano original de Deus para o regime do ser humano. […] Cereais, frutas, nozes e verduras constituem o regime dietético escolhido por nosso Criador”. Conselhos Sobre o Regime Alimentar, p. 81.

Ellen White, pela inspiração profética, ainda antecipou, à custa de ser alvo de zombarias no mundo médico de sua época, que “a tuberculose, o câncer e outras doenças fatais” eram causadas por “microorganismos de tuberculose e câncer”. (A Ciência do Bom Viver, p. 313). Décadas depois, em 1956, Wendell Stanley, virologista e ganhador do prêmio Nobel, na Universidade da Califórnia, expressou sua crença de que “vírus podem ser os causadores da maior parte ou de todos os cânceres humanos”. Ele descreveu os vírus como “microorganismos” que “se ocultam no corpo humano durante anos, até mesmo durante toda uma vida”. Mais uma vez se confirmava de forma extraordinária a credibilidade da inspiração profética de Ellen White.

Deus usa o dom de profecia e da ciência para expressar um cuidado peculiar com Seus filhos. Que possamos firmar nossos passos nesses ensinamentos e o Médico dos Médicos fará brotar a nossa cura, ao confiarmos nas bênçãos contidas em suas recomendações!

“Crede no Senhor vosso Deus, e estareis seguros; crede nos Seus profetas, e prosperareis” 2 Crônicas 20:20.

Que Deus nos abençoe!

Fontes: Mensageira do Senhor: o ministério profético de Ellen White. Documentário: Forks Over Knives.

Por Otávio Simões – Da causa para o Efeito

Gostou deste conteúdo? Então assista o nosso mais novo vídeo...