Os perigos da proteína texturizada de soja

Print Friendly

A proteína texturizada de soja (conhecida popularmente como “carne de soja) é um alimento muito desnaturado, processado em altas temperaturas e pressão. Não vejo benefícios à saúde, e por ser rica em fatores antinutricionais, depleta nutrientes da dieta, podendo levar a deficiências. Fora toda fermentação que ela causa!

Muitos “novos” vegetarianos acabam optando pela PTS imaginando que ela seria uma alternativa às carnes na dieta, e por associar o conceito de soja como um bom alimento protéico, e também por ser um produto barato e relativamente versátil na cozinha.

Mas geralmente a indústria usa solventes a base de petróleo para obter a PTS, e podem deixar traços disso no “alimento” em si. E muitas vezes usam realçadores de sabor, como glutamato monossódico para dar sabor à “carne de soja”.

O cuidado maior é saber que os substitutos das carnes são os feijões combinados com os cereais. É comum o vegetariano iniciante abusar do consumo de ovos, queijo e até soja com a intenção de ingerir a “proteína que tinha na carne”. Lembre-se que devemos combinar diversos grupos para que uma dieta vegetariana seja segura e super saudável, como deve ser.

Os demais alimentos também são bem conhecidos como parte de uma dieta vegetariana saudável: cereais (de preferência integrais), verduras, legumes, batatas, frutas, condimentos naturais e oleaginosas. Para os que utilizam, no caso dos ovo-lacto-vegetarianos, o cardápio pode contemplar ovos e laticínios magros.

A soja em si, seja ela íntegra e seus derivados, é desnecessária para o vegetariano. Tofu, tempeh, natô, missô, soja em grão, podem ser utilizados, mas a ausência no cardápio também não traria problema algum. Já a PTS, baseado em minha experiência clínica e estudos acerca da soja, dispenso na dieta de todos os clientes.

Consulte sempre seu Nutricionista!

Fonte: Nutricionista Priscila Di Cierro